terça-feira, 31 de agosto de 2010

Pseudópodes

Quando te vejo passando pela porta, em direção a multidão que se aglomera no meio do salão, não consigo tirar meus olhos de ti. Todos os músculos do meu corpo de repente parecem parar de funcionar: nem sequer pisco. Os únicos que se rendem são os respiratórios, descontrolando-se, e meu coração, que insiste em acelerar a ponto de quase explodir. Enquanto isso, por fora, só se vê um sorriso discreto.
Minha alma tenta avançar em tua direção. Meu corpo não se move. Em pouco tempo, danço contigo em meus pensamentos. Pequenas porções de minha existência avançam até se colocarem ao teu lado, envolvem um pouquinho de ti, o suficiente para que meu coração absorva e se acalme.
Pena que não percebes!